A cirurgia metabólica tem oferecido novas possibilidades para pacientes com diabetes tipo 2, hipertensão arterial, apneia do sono e doenças associadas à obesidade. 

Esta modalidade de cirurgia bariátrica é reconhecida desde 2017 pelo Conselho Federal de Medicina como tratamento para pacientes obesos e com Índice de Massa Corporal (IMC) menor que 30 - considerado sobrepeso. 

Neste material, você vai entender por que a cirurgia metabólica é considerada uma operação segura e quais resultados ela oferece a curto, médio e longo prazos.

A cirurgia metabólica demonstra controle efetivo do diabetes tipo 2 em relação a tratamentos realizados à base de medicamentos. Ligado diretamente à obesidade, o diabetes tipo 2 é uma doença crônica que se manifesta quando o organismo não consegue metabolizar a glicose, principal fonte de energia do corpo.

Neste caso, existe uma alta resistência à insulina que impede o hormônio de promover a entrada de glicose nas células, o que leva o pâncreas a produzir insulina em excesso. Se não for tratado, o diabetes tipo 2 pode promover danos aos rins, afetando a capacidade de filtragem, além de problemas de visão, infarto e neuropatia periférica (comprometimento dos nervos ligados à sensibilidade). 

Pesquisas apontam que a cirurgia metabólica pode causar a remissão da doença. O procedimento acontece de forma semelhante à bariátrica, com ênfase no controle direto do diabetes. A técnica consiste no desvio do trajeto dos alimentos para que cheguem mais cedo ao trato digestivo. Sendo assim, parte do intestino delgado é estimulada mais cedo, o que leva a produção de dois hormônios importantes: um que traz saciedade e outro que interfere no açúcar.

Para realizar essa cirurgia, o paciente deve ter IMC menor que 30 ou entre 30 e 35, faixa etária de 30 a 70 anos e, no mínimo, dois anos de tratamento insucedido contra o diabetes. Quando o procedimento é realizado no início da doenças, as chances de melhora são maiores. A estimativa é de que metade dos pacientes consegue controlar o diabetes sem o uso de medicamentos.

Quer saber mais sobre cirurgia bariátrica? Entre em contato comigo através do e-mail contato@drdallegrave.com.br